Mostrando postagens com marcador impressões pessoais. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador impressões pessoais. Mostrar todas as postagens

Homem de fases

Faz tempo que estou idealizando esta prosa poética cheio de medos mas vai...
Quando nasci mamãe disse:
- Vai te fiz homem!

Não foi bem assim levei
Uns tapinhas no bumbum
Enquanto os foguetes estouravam
Em 1 d de janeiro de 1983
Fase um chorei

Cresci, corri
Estudei
Fase dois passei
Zorilda maledita
Professora
Me fez um poetinha

Na adolescência
Fui o poetero
Que todo o magricelo é

Sim magricelo,
Eita Azevedo
Queria cortar os pulsos
E vestia preto
E assistia os Cavaleiros
Era o Yoga de Cisne
Tempo ruim
Que nada tempo bom
Fase dois

Na fase três
Estava eu ganhando
Uma miseria
200 reais
Passeando
Pelos ônibus de Curitiba
Duas horas
Pra chegar
Em algum supermercado

Sofrível vida Severina 
De um Wal tentando
Ganhar a Capital
Fase 3 perdeu muleque

Voltei e vivo
A fase 4
Maravilhosamente
Boa
Na minha cama
Tenho uma mulher que me ama
Uma filha
E moro tipo num Cortiço
Maravilhoso (conjugado com o sogro)

Olho pras fases
Que passei
E vejo
Que vivia
A tristeza intensa

Era magro?
E não fazia nada pra mudar
Era introspectivo
E demorei
Tanto para me entregar

Hoje sou os primeiros fios brancos
Hoje sou uma calvície que me persegue
Hoje sou um novo Blog

Sou eu um homem de fases
Hoje sou um amor, amanhã posso ser sim dor
Complicado e perfeitinho?
Sou Eu um homem de fases

É o fim?

Mais um dia
Mais um mês
E mais uma férias se finda

É o fim?
Não sei dizer
Que não
Nem dizer que sim

Só sei dizer
Que pra mim
Foi bom!

Foi uma viagem
Ao  centro
Do meu eu

Dormi
Muuuuito
Acordei tarde

Fui feliz

Academia?
Operação tanquinho
Fica pro próximo ano
Mas fui
Malhei
Puxei peso

Fui acima de tudo família
Fiz três matérias das minhas pós

Comprei e amei o meu e-reader
Comecei finalmente meu cursinho
De alemão no Duolingo

E estou com a alma lavada

Precisei resetar coisas
Que vi não ser interessante
E absorver ensinamentos aqui e ali

Tive uns 5 contos inéditos no topo do R.L
(Muito sofrível não faço mais isto)

Empinei pipa
Comi pamonha
Cortei o cabelo

Fui feliz
Reaprendi a me amar
Na prosa e no poema

Afinal o que preciso
É ser feliz
Acima de tudo e de todos

Sou eu o remador da embarcação
Maravilhosa que é viver

E o meu pause
E reset

É pra recomeçar
No stress do serviço

Sabendo que 30 dias
Fui feliz

É o fim? Snip
😩
Fim de férias...

Minha Thau

Meu amor

Minha vida
Minha Thau

Filha querida

Tanta felicidade
Faz o pai passar mal

Hoje foi o seu aniversário

E ainda me lembro
Dos seus dedinhos
Na minha mão

Tão tenra

Tão pequena

Hoje seis aninhos

Vejo seus olhinhos

E vejo a mesma criancinha

Que era tão pequenininha

E hoje cresce

Como cresce!

Em questão de meses centímetros são demarcadas

Na girafinha medidora da porta!

Hoje até recebeu uma cartinha de um admirador pense?
A certeza que eu tenho
Eu te amo
Com todas as forças de um pai babão
Que um dia te pegou no colo

E eternizou em fotos
Sua mão

Junto a minha

Tão pequenininha!

Indefesa, precisando de proteção

De um colo do paizão

Hoje foi o dia mais feliz da minha vida
Minha princesinha fazendo a festa das princesas
Sendo a protagonista da sua história
Eu? Um coadjuvante

Enchendo balões
Fazendo cachorrinhos em esculturas pras criançadas

Olhava você pular na cama elástica
E chorava sorrindo

E sentia o melhor sentimento

Um amor que não cabe em linhas deste poema
Seria pouco coisa pequena
Sinto uma emoção sem descrição
Um amor de um pai que sempre

Te dará a mão

Eu te amo eu sou o Wal

Com muito orgulho
O pai da Thau.



Junho de 2019

Toy Story 4

Minha querida infância
Coisas de crianças

Relembradas 
Em um filme
Bem idealizado

O Toy Story 4
Hoje o cinema é 3 D
Coisas novas posso ver

E um adulto
Criança aparecer

Tantas crianças no cinema
Eu com a filha linda a Pequena

Vendo uma boneca pastora 
Um cow boy
E um boneco do Espaço

Como é bom ser criança!
Vejo as crianças

Aproveitando a infância
E eu uma criança

Camunfrada de pai
No final aquele spoiler
O boneco vira um brinquedo perdido

E irá desbravar o mundo
Com uma bela pastora de ovelhas

Entre tantas crianças
Estava o Wal
Relembrando a infância

Tempos bons
A filha?
Chegou em casa e foi brincar
Com suas bonecas falar

Momentos lúdicos
Dos seis anos

Um dia feliz
Sem rima
Mas com um belo sorriso.

Por quê eu sou poesia

Ao longo da vida, a gente sonha se frusta tem resquícios de felicidade e tristeza.
Nasce, cresce,e neste processo emite poesia, que é a arte que emana dos nossos sentimentos. Cada dia poderia ser descrito como uma poesia. Porém, nem sempre captamos este brilhante momento que é viver. Simplesmente vivemos sem registrar em lugar algum o momento. Quando surge ao acaso isto, o momento escrito em linhas e palavras. Chamo de Prosa poética. Ou simplesmente poema. Com rima sem rima, inspirado ou não. 
Poemas do Wal é meu diário eu-lírico de inspiração.

Minha Princesa

Hoje antes de dormir
Vou relatar a você um conto
De fadas
Onde há um rei uma rainha
E uma princesa
A princesinha Thau

Era uma vez num mundo encantado
Um castelo onde morava
Um rei e uma rainha

Certo dia entre cavalgadas
E bailes nobres
Tal casal sentiu se solitário

— Meu amor seu amor não me basta
Dizia a poderosa rainha
— Decerto minha amada o seu amor não me supre por completo

Até pensaram em algum decreto
Mas observaram

Que o amor verdadeiro precisava dar. Frutos

Ao saborear uma suculenta maçã
A rainha comia-a
E separando as sementes
Jogou no Jardim encantado

Logo nasceu outra
Árvore naquele pomar
O pássaro já foi pousando
E novos frutos
O mordomo foi
Catando

Ela compreendeu

E avisou o Rei

— Quero um fruto!

O rei não entendendo a metáfora logo falou
— Sim amada, peço para recolher os melhores e agora
Eres minha rainha, seu pedido é uma ordem

Ele entendeu mais tarde

A rainha, pacientemente
Carregou em seu ventre

A sua criação

Antes de nascer a criança 

A rainha falou
— Quero bolo (isto não é fábula é real)

E vai o Rei babão
Correr atrás de um delicioso
Bolo de chocolate pra Rainha

E nasceu!

Avisem todos os súditos
Nasceu a Thau

— É uma princesa a herdeira real
É a Thau

Todos os sinos tocaram
E as trombetas também
As fadas deram seus presentes

Roupinhas vermelhas
Pra fugir com o amarelão

O rei não entendia
Oh rei sem noção!

A princesa?

Tá crescendo
Anda todas as tardes no seu pônei

E agora de tarde
Voltou da escola
De etiquetas

E disse:

— Pai é pra você!

Eu peguei o papelzinho

Chorei (não conta pra ninguém não viu)
Era eu (dia dos pais) um rei
A mãe uma rainha
E ela toda bela naqueles traços que pra mim é a mais bela obra de arte

A Thau a minha princesinha.

😍

Feliz dia dos Pais adiantado
E pra quem não é pai te digo
— Você não sabe o que está perdendo.
Thauzinha te amo
Te amo
Te amo

Minha Thau

Meu amor
Minha vida
Minha Thau

Filha querida
Tanta felicidade
Faz o pai passar mal

Hoje foi o seu aniversário
E ainda me lembro
Dos seus dedinhos
Na minha mão

Tão tenra
Tão pequena

Hoje seis aninhos
Vejo seus olhinhos

E vejo a mesma criancinha
Que era tão pequenininha

E hoje cresce
Como cresce!

Em questão de meses centímetros são demarcadas
Na girafinha medidora da porta!

Hoje até recebeu uma cartinha de um admirador pense?

A certeza que eu tenho

Eu te amo

Com todas as forças de um pai babão

Que um dia te pegou no colo
E eternizou em fotos
Sua mão

Junto a minha
Tão pequenininha!

Indefesa, precisando de proteção
De um colo do paizão

Hoje foi o dia mais feliz da minha vida

Minha princesinha fazendo a festa das princesas

Sendo a protagonista da sua história

Eu? Um coadjuvante
Enchendo balões
Fazendo cachorrinhos em esculturas pras criançadas

Olhava você pular na cama elástica

E chorava sorrindo
E sentia o melhor sentimento

Um amor que não cabe em linhas deste poema

Seria pouco coisa pequena

Sinto uma emoção sem descrição

Um amor de um pai que sempre
Te dará a mão

Eu te amo eu sou o Wal
Com muito orgulho
O pai da Thau.


Aniversário de 6 anos da Thau 2019
Blog do Wal

Descanse em Paz

Olá amado e querido leitor, sei que às vezes meus textos encontram pessoas, e sei que por outras vezes são crônicas de um Velho Jovem. Hoje precisava escrever e não poderia ser indiferente ao ato que é uma impressão pessoal que  marcou. Nem sei como mas sim, preciso deixar registrado e será Aqui. o título desta crônica que será impressões reais de um acontecimento que ocorreu-me no Sábado dia dois de Julho de 2016 é este:

Descanse em Paz

Estava a finalizar o culto onde participava, era o culto da mocidade e ajudo neste departamento. Quando veio a minha sogra de carro, um garoto veio e avisou. Fui ao carro e ela me falou: -Waldryano, chame um irmão (presbítero da igreja) precisamos ir a casa de uma parente que esta enferma e sua filha pediu aos prantos que fosse um representante da igreja fazer uma oração para ela.

Caro leitor, não se assuste e nem estagne-se ao ler minhas impressões daqui adiante. Entenda que é um relato verdadeiro de um dia da minha vida deixado aqui como registro.

Já nesta casa, com a minha sogra, o irmão presbítero, e eu com a minha Bíblia abaixo do braço, estavam toda a família desta senhora. Estavam reunidos em um churrasco.(Já explico melhor este churrasco)

Entrei e a Senhora estava em um quarto, uma filha em um lado da cama de solteiro e a outra logo ao pé. Ambas choravam. Fiquei por ali, então o irmão começou a falar com os parentes e familiares que estavam bastante apreensivos. (Os que estavam no quarto estavam bastante apreensivos, uns oito familiares desta senhora).

Vale falar um pouco desta senhora antes de narrar os fatos ocorridos logo após.

Uma Senhora magra com o semblante de dor, vi e marcou bastante ela estava com uma espécie de sensor, bastante parecido com um medidor de pressão, que monitorava as batidas do coração através do dedo.

Após em casa minha esposa falou a moléstia dela. Que estava passando por um tratamento paliativo em casa.

Aquela senhora descobriu em janeiro que estava com leucemia. Aquela Senhora estava muito magra uns 35 quilos e estava sentindo dor naquela cama de olhos fechados, escutava o que falávamos, segundo o que nos contou as suas filhas, ela se retorcia naquela cama num silencio agoniante.

Fomos convidados a fazer uma oração para ela, o irmão presbítero iria faze-la , Ele observou que eu estava com a Bíblia e gentilmente pediu para fazer uma leitura bíblica.

Claro que iria fazer, e é claro que seria somente se ele pedisse. E assim o fiz;

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas.
Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.
Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Lembro me que em outro momento que também fui convidado a visitar um amigo que foi por toda a vida o vizinho presente que também sofria e fiz esta leitura.

Ao orar o irmão fez uma oração com bastante verdade, eu clamava por um bom resultado para aquela mulher que estava sofrendo naquela cama.

No final insistiram para comer o tal churrasco. Para evitar desfeita e desentendimentos comi um pedacinho do contra filé que estava ótimo. Entenda aqui leitores que o churrasco, eu entendi como uma confraternização da família (leia com bom sentido aqui por favor!) não senti em nenhum momento contenda ou desentendimento ou qualquer outro tipo de malícia uma confraternização pois era sábado, e o fato da senhora estar doente já era fato, pois como disse anteriormente já passava por um tratamento paliativo. (Estava desenganada, o médico liberou para 'morrer na casa'.)

As cinco horas do domingo a mulher morreu e foi velada em um centro comunitário.

Sabe leitor, intimo deste relato, eu olhava aquela senhora deitada naquela cama, e imaginava que poderia sim falecer, mas não tão rápido. Se ela escutou minha leitura do Salmos 23, (Esqueci de escrever anteriormente, que fiz pequenos comentários de bom tom sobre um pastor cuidar até os últimos momentos das suas ovelhas) Também não sei se aquela senhora escutou a oração do Presbítero. Só sei que olhava aquela senhora e observei a morte de perto foi uma sensação inexplicável que precisava deixar aqui registrada.

No outro dia Ceia, fui na igreja, ainda pensando neste ocorrido. O presbítero estava bastante triste e fez um comentário que fez me lembrar do Coffey do Livro 'A Espera de um Milagre' O comentário foi o seguinte: -Quando vou nestes lugares de tristeza e sofrimento, parece que um tanto da angustia e sofrimento é tragada à mim. Não foi bem nestas palavras mas ao ouvir ele falar aquilo no púlpito pareceu-me exatamente ao personagem deste livro. Fica aqui o meu Descanse em paz a esta Senhora. 



Crônicas de um Velho Jovem 

Postagem em destaque

E se

E se algum ente querido tivesse morrido? E se um tapa na cara fosse o fim de um romance? E se o meu cachorrinho tive...