O Belo e a Fera

Conto baseado no conto a Bela e a Fera

No pulso um Rolex demonstrava-lhe as horas, estou atrasado
Precisava correr, engolir algo
Mais uma reunião de trabalho

Trabalho
Trabalho
Trabalho

Sempre trabalho

Na rua de São Paulo capital
A correria de Sempre
As pessoas de sempre
Os carros de sempre (preciso de um carro novo!) trazia ao bancário a vida
- Como gosto deste cenário

Na pressa e na correria nem viu um tropeço que destoava o cotidiano

Segurou-lhe a barra da linda calça
E falou:

Dá me um trocado

Olhei para aquilo era isto realmente uma pessoa?
Uma escória destruía-lhe o cenário, era um pensamento
Que lhe veio quase secreto mas veio

E o pedinte insistente
Continuava

Moço da me um trocado
Estou com fome

Eu pensei:
Dou lhe um cheque?
Passa a maquininha?
Que abusado, eu batalho, corro, 
Faço da ambição meu ganha pão
E este fruto do descaso
Fica a minha frente atrapalhando o meu atalho

Olhei na sua boca, ele sorriu, faltava os dentes, faltava um bom penteado, faltava um terno

Faltava lhe tudo
A mim não faltava nada

E comecei a metrificar
A minha vida
E a dele

Que sorria tal qual um cachorrinho atras de um agrado

E me vi nele

Meu Deus eu era ele!

Meu sorriso?
Falso comprei minhas placas de porcelana na liquidação
Olhava as pessoas e lembrava
Dos treinamentos de desenvolvimento pessoal
Sempre sorri

Seria ele treinado em algum Master Mind?

Olhei para o modo dele pedir

Insistente
Invasivo e desesperado

Eu não iria fazer o mesmo, daqui a pouco? Precisava fechar o negócio e bater a meta do mês precisava

O moço a frente, cheirava suor
Eu a Channel
Não era a mesma coisa
Suor?
A diferença que o meu suor foi manipulado de um animal exótico africano, ambos suor!

Ele se contorcia, o trocado era o motivo de estar ali parado

Quantas vezes fiz a mesma coisa, precisando agradar um investidor pra a promoção ganhar
O salário a mais ganhar

Perguntei a ele
Tens algum? Tens troco?

O pedinte falou,
Nada moço estou com fome!

Eu me vi nele, tinha tanto dinheiro, 
 Emprestado

Dei-lhe a nota de 50
Abaixei e sentei com ele e fiquei

Pode ficar com o troco.

Observação: Este conto é uma releitura de um conto famoso, não vou cita-lo, se conhece o conto famoso, deixe nos comentários.
Caso tenha curiosidade leia minha crítica literária do conto famoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sombra do onipotente habite nos seus caminhos...

Postagem em destaque

E se

E se algum ente querido tivesse morrido? E se um tapa na cara fosse o fim de um romance? E se o meu cachorrinho tive...