Crianças

Crianças
Brigam e fazem as pazes

Quando beijam
Não ligam de pegar sapinho

Dividem o brinquedo
E por vezes faz a birra de dizer
— É meu!

Crianças
Não se magoam facilmente
E perdoam 
Sempre perdoam

Precisam de proteção
E necessitam aprender

Aliás, são esponjinhas
Pena que passa rápido
A criancisse é um sopro

E adulto ficamos
Ao nascer Deus nos agracia
Com a inocência dos anjos


Logo do céu vamos se distanciando
A melhor coisa da vida
É sentar no banquinho do parquinho
Em um fim de tarde

E ver crianças
Serem o que melhores são:

— Crianças!
A inocência no cabelo ao vento
A ingenuidade do joelho machucado
E a coragem do joelho machucado
E o choro do joelho machucado

Aprendeu, não é mais criança
Do céu vai se distanciando

Papai do céu
As asas vai podando

Mas enquanto são
Crianças

São nossa felicidade
Afinal, nos remete
A nossa infância 


Travessura de criança
Quem nunca?

Postagem em destaque

E se

E se algum ente querido tivesse morrido? E se um tapa na cara fosse o fim de um romance? E se o meu cachorrinho tive...