Contos Waldryano

A Cartomante Gospel


A cartomante Gospel



Maria, era mais uma dessas irmãzinhas que se vê por aí, com um coquinho na cabeça, uma saia ao pé, e muita disposição. A fazer fofoca.
Ela tinha acabado de mudar, e queria esquecer do seu passado, na outra cidade, a propósito, precisava mudar e tentar uma vida nova.
E para isto foi na igrejinha do bairro e logo se enturmou.
Entrando no Grupo das irmãs, era uma alegria só, passeava na casa das colegas, sempre cheia de alegria e dispor. E o ouvido bom para escutar e falar.
O Pastor, observando a determinação da senhorinha, logo lhe deu cargo de responsabilidade. E ela até que ajudou bem por um período. Ela era a segunda da líder do grupo das mulheres. Queria ser a primeira, logo mexericos. Antes ela sentiu de perto a responsabilidade de ser uma pessoa importante.
As melhores fatias de bolo na casa das irmãs. Ganhava cortes para fazer vestidos, E por vezes as irmãs lhe abordavam.
— Olha irmã, tome, senti de Deus esta ofertinha, pra tu continuares fazendo a obra.
Era o céu pra irmãzinha. Todavia, sua língua a grande vilã, fez dela alvo fácil de contenda e discórdia. Tentou destronar a rival, entretanto, a primeira era Irmã de coque bem fixado, e sabia como lidar com as invejosas.
Certo dia a Mariazinha triste da vida por ter sido expulsa do grupo, caminhava sua ruela de volta pra casa.
Uma outra irmã qualquer, voltava de longe chorando. Ela ficou assuntada, queria por que queria saber o porquê do chororô da moça. A curiosidade de mexeriqueira lhe tocava forte.
E veio lhe a ideia:
Chegou-se a irmã chorona e disse:
— Deus pede para eu abrir a Bíblia para você.
A irmã, enxugou o choro não entendendo muito bem.
— Ah? Como assim abrir a Bíblia?
Maria sabia que precisava mudar de vida, estava nesta nova cidade para buscar uma nova verdade, e esquecer o seu passado. Entretanto, o tato com pessoas e os agrados que ela compreendia muito bem como 'influenciar' aos seus propósitos, e isto a fez voltar a velha prática.
Ao abrir a Bíblia (quase ao acaso) veio uma palavra de desgosto no que leu. Ela olhou para a mulher que ficou com um olhar curioso com aquela nova modalidade. E disse:
— Deus disse pra você abrir de novo.
E vai à irmãzinha toda esperançosa na convicção de uma palavra de benção.
E veio.
Depois deste fato, a Maria não parou mais, pois, da moça que começastes a fazer promessa, logo espalhou-se pelo bairro todo a sua fama de profetisa.
— Amiga, ela te olha manda você abrir a Bíblia ao acaso e diz tudo a sua vida! Falava uma vizinha.
— Pois, é ela faz revelações de coisas que somente Deus mesmo conhece, outro dia salvou um casamento, através das palavras dela a guria descobriu a galhada pense?
E tudo que a Mariazinha perdera, ganhara em dobro, com a sua redescoberta, de falar, como convinha palavras boas, e palavras que eram convenientes.
Claro que a Mariazinha fazia a sua pesquisa de campo, e conseguia saber as “Alvas” da sua profetada.
E também querido leitor é bom te explicar que a Bíblia surrada da nossa irmãzinha aqui tinha vincos estratégicos que facilitavam as coisas.
Tornou-se uma espécie de celebridade. Todavia, vivia vida desregrada.
A Maria, traia o marido? Traia quem não trai, pensava ela.
A Maria depois da profetada, tomava um belo cafezinho com um pedaço de bolo, e corria assuntar sobre a nova 'vitima' da sua profetada?
É claro que fazia, a vida mansa e boa precisava continuar, e ela já era experiente no trato, visitinhas eram, na verdade, uma ótima oportunidade buscar 'clientes'.
Sim clientes, sempre depois da visita, a nossa amada protagonista dava-se jeito de pedir uma generosa oferta, para continuar a adivinhação.
Ela era boa como ninguém neste trato, fazia todo o mistério, e só entregava o peixe. Quando lhe molhavam a mão.
A Maria fez até uma espécie de horoscopo Gospel, colocava as pessoas uma tribo, baseado na data de nascimento. E também, buscava sempre falar para as pessoas baseadas na abertura da Bíblia, associando, versículos e livros a data de nascimento, e coisas do tipo. Uma confusão que beirava a blasfêmia. O povo adorava aquilo, pois, sempre era algo bastante conveniente e convincente.
Certo, dia a sua rival, entendendo que algo era muito estranho naquelas visitas, convidou a Maria para ir tomar um café na sua casa.
Maria ficou bastante desconfiada, relutou em ir, certamente que tal atitude fez o alimento dos mexericos.
Ela até que tentou.
Chegou um momento que não teve para onde fugir.
Ela foi e sabia bem onde iria abrir a Bíblia para a rival.
Uma palavrinha de entregar o cargo, coisa assim, e entregar para ela. Bastante conveniente, era somente dosar as palavras e fazer o que ela sabia fazer de melhor, vincou a Bíblia e foi.
Na casa da irmã, fez todo os carões do mundo, tentou de todos os modos ganhar a simpatia da irmã, e nada.
Tentou também saber de algum novo mexerico e nada também.
Cansada de tanto tentar, foi logo ao ponto.
— Irmã, vamos logo à palavra, Deus manda me dizer que ao abrir a Bíblia para você virá uma palavra que você precisará executar urgentemente na sua vida.
A mulher que era queria lograr esperta e gatuna, mantinha-se no seu cargo por vários anos, dez no total, sabia muito bem tratar com gente, e entendia que na frente dela estava uma abusada que pelas beiradas a queria lhe arruinar.
— Sim, claro se é de Deus, vamos lá! Só te peço uma coisa, use a minha Bíblia para fazer tal revelação.
— Tua Bíblia? Desarmou a profetada, pois, a Bíblia da maria era toda vincada, nos lugares exatos que lhe convinham abrir. Precisava pensar rápido, pois, sabia que estava sendo analisada. Sem ação aceitou o trato e deixou ser manipulada.
— E eu quero abrir irmã, senão se importa, pois, o mesmo Deus que guia o seus passos guia os meus, logo se eu abrir tudo dará certo.
E foi a irmãzinha abrir a Bíblia, de modo assustado, afinal estava sendo confrontada, e precisava revidar.
Ao abrir a Bíblia, a mulher abriu do início pro meio, nada de Salmos, coisa do tipo, ela sem muito conhecimento bíblico pensou:
— Estou perdida! 2.º Reis? Do que se trata tal livro? Pensou em silêncio, e suava frio.
A irmã, entendendo que estava desmascarando uma malandra, rodeava-lhe e disse:
Soube que faz revelação seguindo a data de nascimento dos teus revelados. Pois eu nasci no dia 20 de janeiro no mês 1,leia pra mim e me revele o que esta escrito aí pra eu me preparar querida irmã.
O versículo era longo cheio de fatos teológicos que a irmã Maria não compreendia. O final do versículo deixou ambas com o cabelo em pé:
Põe em ordem a tua casa porque morrerás, e não viverás.
2 Reis 20:1
O constrangimento foi grande, a irmã líder, foi logo dispensando a moça, e a Maria, engolia a seco a saliva, neste dia nem quis tomar café.
Tinha uma outra irmã acompanhando no dia desta reunião, olhou e saiu espalhando pra vizinhança inteira o sucedido. Logo, todos esperavam como que numa plateia, acontecer a profetada.
— Irmã, a moça foi na casa da Líder tava toda bagunçada, e Deus ficou todo cheio de fúria, e deu uma palavra de Morte pra ela.
O apavoramento foi geral, todos esperavam ansiosos a profetada se concretizar.
Maria entendeu, que era o momento de mudar de cidade de novo. Pensou, pensou e pensou mais um pouco lhe veio a solução.
Faço eu o serviço, tenho meu nome a zelar.
Afiou a faca, foi no terreiro e degolou uma galinha, precisava treinar. Viu que era pontuda, e ficou ideando como seria a morte da rival.
Não tinha jeito seria de noite. Seria com a faca e infelizmente precisaria pular o muro pra fazer o serviço.
Era muita judiação perder suas regalias.
E assim foi.
Colocou a faca por debaixo da saia e saiu na calada da madrugada.
Olhou a irmã estava acordada, orando certamente, isto iria dificultar um pouco as coisas, pois queria a esfaquear dormindo seria mais conveniente e fácil degolar a mulher.
Esperou pacientemente ela ir dormir, a espreita no muro.
Ao se ajeitar pra pular, viu a faca pinicar, tirou da saia e segurou na mão mesmo precisava ser rápida.
Atacou a faca pro outro lado do muro.
Olhou pro lado, ninguém escutou.
E foi ela pular.
Desajeitada que só pulou errado, a faca de um modo abrupto ficou de modo reto, e a veio a ferir bem próximo ao coração.
Estava ela esfaqueada. Tentando gritar socorro, passava-lhe a mão no sangue que esvaia sem controle.
A irmã acordou, foi na janela e ficou a observar o desespero da Maria. Lia na boca da outra uma espécie de socorro. Fez se de desentendida, com um olhar de reprovação chegou bem perto da Maria.
— Decerto que você deve ter posto a sua casa em ordem não é sua charlatã? Cartomantezinha Gospel de quinta.
Foi no lado da cama, exagerou na dose da passiflora e dormiu.
No outro dia, foi aquela confusão, uns falaram que a irmã tava chupando laranja, outros falavam que o próprio inimigo se encarregou de dar um fim na irmã. Sendo assim o triste fim da Cartomante Gospel.

Observação:
O conto é meio que baseado em casos reais que se vê por aí com os neo pentecostais que por vezes manipulam a Bíblia como lhe convêm. No mesmo caso na igreja católica já esta tendo modalidade de charlatão e pedófilos. A Bíblia e o evangelho sempre sobreviverão aos modismos. Fica como um alerta tal conto.

Nenhum comentário:

Recentes aqui no Blog

Pesquisar este blog