Amor Impossível Capítulo 1

-Mais uma vez aquele moço esta naquele banco da praça, parece que procura alguém, logo aqui, um lugar de entrega a Cristo.

Lara desconversa dobrando alguns lençóis, ela estava no seu quarto deixando tudo organizado enquanto Amélia a companheira de quarto continuava olhando la embaixo o rapaz que continuava sentado naquele banco de praça olhando fixamente para a janela onde estavam as duas companheiras.

-Nossa Lara, parece que ele procura por alguém. Lara escuta desconsertada com a insinuação de Amélia e diz:

-Vamos deixar ele onde esta irmã e preparar nossas preces das sete horas.

-Tudo bem Lara, vou fechar esta cortina e ir cuidar dos meus afazeres na cozinha, às sete em ponto estarei no oratório.

Logo que a irmã Amélia saiu, olhei para a cortina e dois pensamentos me passaram:

-Terminar minha arrumação, ou olhar para a janela e ver ele.

-Eu sei que é ele, aquele jovem que se enamorou por mim.

-Justo eu Deus! Justo eu? Que entreguei-me a Cristo e não quero um amor terreno para a minha vida.

Olho ou não olho?

-Não posso olhar, se assim eu fizer, irei alimentar falsas esperança naquele jovem.


Aquele jovem, tão belo, irá encontrar uma moça e se casar e terá filhos. E eu ei
de ficar aqui e meditar na palavra de Deus por todos os dias que me restam.



-Robson, Robson, Porque você fez aquilo comigo. Porquê? Eu lhe amava mais que tudo.

Não, não posso olhar por aquela janela, não quero um amor carnal, nunca mais em minha vida.Todo o meu amor é para Cristo e assim será pelo resto da minha vida.

*

-Por favor linda noviça dos olhos azuis, roubastes meu coração. Sei que não terei nunca nenhuma chance contigo, mas somente apareça nesta janela, nutra o meu coração com a sua presença, sendo assim, poderei viver mais um dia...

*

Não vou olhar, minha beleza, meus sonhos e meus desejos não devem servir de desculpa para agir equivocadamente. Atrás desta cortina há um outro Robson e sei que não quero um sofrimento em minha vida. Quero ser uma serva e o passado, é algo que ficou atrás das portas deste convento.

-Vou olhar, somente para certificar-me que ele foi embora. Após irei as minhas preces.

*

Vejo um pequeno movimento será ela? Meu coração palpita mais forte. Aqueles olhos azuis irão se cruzar aos meus? -Só mais uma vez preciso daquele olhar. A cortina se movimenta e aqueles olhos azuis me envolvem e me inebriam. Foi uma eternidade aquele olhar! Ela fechou a cortina rapidamente. Será que ela esta a me observar por detrás daquela cortina? Não aparece mais.

Vou embora, no caminho escuto o ressoar de um sino, não sei o que significa. Olho para o relógio e vejo que Preciso me apressar. Minhas responsabilidades na igreja me chamam. Hoje irei dirigir o culto. Sempre assim o faço no Sábado, filho de pastor tem destas responsabilidades...

Já em casa meu pai me aborda: -Filho onde estava? Meu pai ajeitava a sua gravata. -Quase se atrasa mais uma vez? Creio que estava perambulando aos arredores do convento. O que te encanta por Lá?

Desconversei: -Nada pai, vamos à igreja quero chegar cedo para orar.

Na igreja fui ao púlpito e fiz questão de ficar em um canto bem isolado, ajoelhei e orei:

"Senhor, tire de mim este desejo de ver ela, Pai amado não quero! Não posso, ela é uma noviça e eu um filho de pastor!'' orava baixo quase sussurrando.

''Óh pai, mas não consigo. Ela povoa os meus pensamentos, seu olhar parece decifrar a minha alma. Pai amado tira de mim este amor impossível.''

*

Olhava para a Amélia e em devoção continuava a minha prece, ela de vez em quando me olhava, mas não mudava o tom de voz, nem eu, ambos sabíamos que aquela prece era atípica.


Terminei meu momento devocional e depois de cear uma sopa leve, já preparava-me para dormir. Nosso quarto havia uma beliche, 
a Amélia dormia em cima; Eu sabia que ela iria fazer a pergunta que eu pensava como iria responde-la sem mentir. Ela se movimentava inquieta na parte de cima demonstrando não conseguir dormir.



Eu fechei meus olhos fingindo dormir, as lembranças vieram, fiz errado ao olhar naquela janela. O moço por ironia do destino me olhou. Poderia estar distraído? ou ido embora? Não, ele estava lá esperando o momento que eu iria olhar. Já pedi perdão a Deus nos meus pensamentos. Eu sei o que fiz, ao olhar para a janela demonstrou ao rapaz que eu penso nele. Logo eu, uma esposa de Cristo...

-Não Lara esqueça de vez aquela cena. Você fez a sua escolha...

-Irmã Lara disse Amélia, posso lhe fazer uma pergunta...

Já me retorcia pensando no que dizer sobre o moço da praça, mas ela fez uma pergunta que foi além das minhas expectativas. 

-Irmã Lara, disse Amélia em voz baixa, gostaria de saber como você se decidiu ser freira...

Fingi dormir...

Fale irmã, se estivesse dormindo estaria roncando...

Fiquei em silêncio por um momento, e respondi-a assim. Irmã Amélia, amanha te conto, no nosso passeio matinal, você bem sabe que as paredes deste convento tem ouvidos.

-Mas irmã, não consigo dormir...

-Recite passagens bíblicas em pensamento que o sono vem... 

''Em paz me deitarei e dormirei, pois só tu me faz repousar em segurança''

Amélia ficou em silêncio por um momento, e disse. -Amanhã irmã, então contará os seus segredos. Respondi: -Durma irmã amanhã conversamos.





Amor Impossível

Nenhum comentário: